Mais ou menos”

0 Fla­res Twit­ter 0 Face­bo­ok 0 Goo­gle+ 0 Pin It Sha­re 0 0 Fla­res ×

Vive­mos um tem­po de ver­da­des cin­zen­tas, um tem­po em que as pes­so­as têm mui­ta difi­cul­da­de de dizer o pre­to no bran­co. Todas as ver­da­des são váli­das e nenhu­ma delas é mes­mo ver­da­dei­ra! Pare­ce que está tudo meio nebu­lo­so, não há cla­re­za de idei­as e posi­ci­o­na­men­tos e a noção de cer­to e erra­do está sen­do rela­ti­vi­za­da ao extre­mo. Ao per­gun­ta­mos a alguém se deter­mi­na­da ati­tu­de é erra­da, logo vem a res­pos­ta: “Ah, mais ou menos”.

Hoje, ain­da – repi­to, ain­da – a pedo­fi­lia (per­ver­são que leva um indi­ví­duo adul­to a se sen­tir sexu­al­men­te atraí­do por cri­an­ças) é con­si­de­ra­da erra­da e defi­ni­da como per­ver­são. Con­tu­do, um argu­men­to mui­to usa­do atu­al­men­te para jus­ti­fi­car expres­sões afe­ti­vas e sexu­ais dife­ren­tes é que toda for­ma de amor é váli­da. Ou seja, se há amor, tudo vale. Pois bem, o que nos garan­te que, ama­nhã, um insa­no qual­quer não pas­se a advo­gar, por exem­plo, que um homem de 30 anos de ida­de pode, sim, rela­ci­o­nar-se com uma meni­na ou um meni­no de 10 anos, pois eles de fato se amam e, por­que se amam, podem man­ter uma rela­ção. Per­do­em-me pelo exem­plo bizar­ro, mas, quan­do tudo é “mais ou menos”, nada nos garan­te que ama­nhã a pedo­fi­lia não pos­sa ser con­si­de­ra­da mais ou menos per­ver­são.

O que fazer dian­te de um mun­do tão con­tur­ba­do, onde tudo é rela­ti­vo, onde não há mais ver­da­des abso­lu­tas? Deve­mos bus­car algo que bali­ze nos­sas esco­lhas e posi­ci­o­na­men­tos, algo que nos dê um refe­ren­ci­al de vida e con­du­ta. Para nós cris­tãos, o que deve bali­zar nos­sa cami­nha­da é a Pala­vra de Deus. A Bíblia nos ofe­re­ce todos os refe­ren­ci­ais de que pre­ci­sa­mos para pon­de­rar­mos nos­so modo de vida, nos­sa moral e nos­sos valo­res.

Para os rela­ti­vis­tas e pro­gres­sis­tas de plan­tão, isso é um gran­de peri­go, pois, na opi­nião deles, a Bíblia ali­e­na e embur­re­ce as pes­so­as. Tal defe­sa des­mo­ra­li­za e des­me­re­ce a Pala­vra de Deus. Num tem­po em que as pes­so­as gos­tam tan­to de vari­a­dos tons de cin­za, dizer que a ver­da­de está num livro pre­to no bran­co pare­ce mes­mo desin­te­res­san­te.

Con­cor­do que, de fato, se fizés­se­mos uma lei­tu­ra e uma apli­ca­ção fun­da­men­ta­lis­tas da Bíblia, tería­mos que dece­par uma das mãos e arran­car um dos olhos de mui­tas pes­so­as que pecam com suas mãos ou olhos, con­for­me pre­diz o tex­to bíbli­co. Con­cor­do tam­bém que, para viver­mos a Pala­vra de Deus, pre­ci­sa­mos inter­pre­tá-la e con­tex­tu­a­li­zá-la à luz do tem­po em que vive­mos. Con­tu­do, nada do que nela está con­ti­do deve ser des­pre­za­do, pois toda a Bíblia nos apre­sen­ta a ver­da­de tal qual pre­ci­sa­mos para ser­mos liber­tos, per­do­a­dos e sal­vos.

His­to­ri­ca­men­te, a igre­ja cris­tã vem sen­do o fiel da balan­ça da soci­e­da­de. Quan­do tudo pode ou nada pode, a igre­ja entra com seu tes­te­mu­nho e viven­cia a Pala­vra para tra­zer equi­lí­brio. O que vemos hoje é uma soci­e­da­de amo­ral, fútil e super­fi­ci­al. Por isso, seria mais do que neces­sá­rio que a igre­ja con­du­zis­se a todos para um pon­to de equi­lí­brio. Entre­tan­to, o que temos vis­to, infe­liz­men­te, são igre­jas evan­gé­li­cas dan­do mau tes­te­mu­nho e fazen­do uso da estru­tu­ra peca­mi­no­sa da soci­e­da­de para tirar pro­vei­to das pes­so­as.

A igre­ja e cada um de nós – que, na prá­ti­ca, somos a igre­ja – só pode­re­mos tor­nar este mun­do melhor aos olhos de Deus quan­do levar­mos a sério Sua Pala­vra; pois, enquan­to nós tam­bém achar­mos que “é mais ou menos peca­do”, enquan­to for­mos ape­nas mais um dos mui­tos tons de cin­za, enquan­to nos­sos valo­res, ati­tu­des e esco­lhas forem as mes­mas de quem não é cris­tão, nos­sas vidas serão insí­pi­das e sem nenhum valor.

Deus nos deu uma mis­são: chei­os do Seu poder, deve­mos tes­te­mu­nhar a Jesus Cris­to com ati­tu­des e pala­vras, a fim de que o Seu Rei­no seja con­cre­ti­za­do. Para isso, temos de ter cla­re­za de que não exis­te peca­do mais ou menos e decla­rar, sem medo, que é Jesus ou o Dia­bo, é o céu ou o infer­no, é o peca­do ou a san­ti­da­de.

Pr Tiago Valentim

Do ami­go e pas­tor,
Rev. Tia­go Valen­tin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *