Para amar, para perdoar…

0 Flares Twit­ter 0 Face­bo­ok 0 Goo­gle+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×
“Perdoe seu irmão”, por Scott Erickson

Per­doe seu irmão”, por Scott Erickson

Por­tan­to, vós ora­reis assim: (…) E per­doa-nos as nos­sas dívi­das, assim como nós per­do­a­mos aos nos­sos deve­do­res” (Mateus 6: 9–12).

Muitas vezes nós nos per­gun­ta­mos qual é a ora­ção cer­ta e como deve­mos orar. Essa dúvi­da tam­bém exis­tia no cora­ção dos dis­cí­pu­los de Jesus, tan­to que um deles soli­ci­tou ao Mes­tre que os ensi­nas­se a orar, tal como João Batis­ta ensi­na­va a seus dis­cí­pu­los (Lc 11:1).

Até mes­mo para orar, Jesus nos dei­xou ori­en­ta­ção, que é conhe­ci­da como “Ora­ção do Pai Nos­so”. Uni­ver­sal­men­te deco­ra­da e repe­ti­da, é comum vê-la pro­nun­ci­a­da tan­to por pro­tes­tan­tes quan­to por cató­li­cos. No entan­to, per­ce­be­mos mui­tas vezes que viven­ciá-la de fato não é tão fácil assim, espe­ci­al­men­te quan­do che­ga­mos à par­te do perdão.

Per­do­ar, mui­to mais do que uma ori­en­ta­ção, é uma neces­si­da­de. A fal­ta de per­dão gera em nos­sas vidas a mágoa, raiz da amar­gu­ra. E mui­tas vezes evo­lui para o ódio. Tais sen­ti­men­tos, quan­do em nos­sa alma, nos impe­dem de pros­se­guir em nos­sa cami­nha­da de fé, pois fecham nos­so cora­ção para o prin­ci­pal fru­to do Espí­ri­to: o amor.

Por isso, num tem­po em que o amor tem sido des­qua­li­fi­ca­do, faz-se neces­sá­rio bus­car “o ver­da­dei­ro amor”, aque­le que “tudo sofre, tudo crê, tudo supor­ta e jamais aca­ba” (1 Co 13:7–8). Nes­se sen­ti­do, o per­dão se tor­na uma con­di­ção para o desen­vol­vi­men­to do amor em nós. O per­dão liber­ta nos­sa alma, nos faz livres para cres­cer e, prin­ci­pal­men­te, nos leva a enxer­gar nos­so pró­xi­mo com sim­pa­tia e tolerância.

Pen­san­do no rela­ci­o­na­men­to entre duas pes­so­as, é impos­sí­vel viven­ci­ar uma expe­ri­ên­cia madu­ra de con­vi­vên­cia sem que o per­dão seja ope­ran­te em ambas as par­tes. Per­do­ar sig­ni­fi­ca renun­ci­ar a meu direi­to, mui­tas vezes assu­min­do o pre­juí­zo que me cau­sa­ram. Mas não foi jus­ta­men­te isso que Cris­to fez por nós?

Temos difi­cul­da­de em per­do­ar por­que não que­re­mos abrir mão de nos­sa jus­ti­ça pró­pria. Quan­do somos feri­dos e mago­a­dos, ins­tin­ti­va­men­te dese­ja­mos que o(a) causador(a) de nos­sa dor rece­ba de manei­ra pior o que nos cau­sou. A jus­ti­ça e a cor­re­ção divi­nas, ao con­trá­rio, nun­ca são para a des­trui­ção, mas, sim, para a res­tau­ra­ção do homem e da mulher.

Por­tan­to, pre­ci­sa­mos apren­der não somen­te a orar o “Pai Nos­so”, mas, prin­ci­pal­men­te, a exer­ci­tar essa ora­ção, para que seja ali­men­ta­da a liber­da­de de nos­sa alma e aper­fei­ço­a­da em nós a capa­ci­da­de de amar incondicionalmente.

João escre­ve em uma de suas car­tas: “Ama­dos, ame­mo-nos uns aos outros, por­que o amor pro­ce­de de Deus; e todo aque­le que ama é nas­ci­do de Deus e conhe­ce a Deus. Aque­le que não ama não conhe­ce a Deus, pois Deus é amor (1 Jo 4:7–8). Diz ain­da: “Nós ama­mos por­que ele nos amou pri­mei­ro. Se alguém dis­ser: Amo a Deus, e odi­ar a seu irmão, é men­ti­ro­so; pois aque­le que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê” (1 Jo 19–20)”.

Vamos pros­se­guir em per­do­ar e amar!

Pra. Laura

Pra. Lau­ra Valentin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *