Vale a pena educar

0 Fla­res Twit­ter 0 Face­bo­ok 0 Goo­gle+ 0 0 Fla­res ×

Quem Ama Edu­ca!” é um inte­res­san­te títu­lo da obra lite­rá­ria do psi­qui­a­tra Iça­mi Tiba a res­pei­to da rele­vân­cia da edu­ca­ção. Mas o que sig­ni­fi­ca edu­car? Bus­can­do seu sen­ti­do mais pro­fun­do, o ter­mo “edu­car” tem sua ori­gem no latim edu­ca­re, por sua vez liga­do a edu­ce­re, ver­bo com­pos­to pelo pre­fi­xo ex (fora) mais duce­re (con­du­zir, levar). Tra­du­zin­do lite­ral­men­te, sig­ni­fi­ca “con­du­zir para fora”, ou seja, pre­pa­rar o indi­ví­duo para o mun­do.

Nes­sa pers­pec­ti­va, o ato de edu­car é bem mais amplo, com­pre­en­den­do vári­as esfe­ras do conhe­ci­men­to, como a cien­tí­fi­ca, a emo­ci­o­nal, a espi­ri­tu­al e, ain­da, a da sabe­do­ria popu­lar. Ou seja, não se res­trin­ge à con­cep­ção atu­al, que reduz seu real sig­ni­fi­ca­do a um sim­ples adje­ti­vo: edu­ca­do – aque­le que sabe se por­tar – sen­ti­do que se limi­ta ao “cam­po” das boas manei­ras.

Edu­car, entre outras pos­si­bi­li­da­des, é a ação de desen­vol­ver as facul­da­des psí­qui­cas, inte­lec­tu­ais e morais ine­ren­tes ao ser huma­no, dan­do con­di­ções para seu ple­no desen­vol­vi­men­to, favo­re­cen­do seu bem-estar e, con­se­quen­te­men­te, pos­si­bi­li­tan­do impac­tos reais e dura­dou­ros tan­to no indi­ví­duo quan­to na soci­e­da­de.

Em toda a his­tó­ria do povo de Isra­el, pode­mos obser­var a ação edu­ca­ti­va do Senhor em favor de Seu povo. O Decá­lo­go foi entre­gue a Moi­sés para ser repas­sa­do à nação (Êx 20) não como meio de puni­ção, mas como boa ins­tru­ção. Esses man­da­men­tos deve­ri­am ser enten­di­dos como um “bom con­se­lho”, que auxi­li­a­ria as rela­ções com o pró­prio Deus e com a comu­ni­da­de. O Sal­mo 19:8 expres­sa cla­ra­men­te essa ver­da­de: “Os pre­cei­tos do Senhor são retos e ale­gram o cora­ção; o man­da­men­to do Senhor é puro e ilu­mi­na os olhos”.

No Novo Tes­ta­men­to, Jesus é quem ins­trui e ensi­na o povo. Sua obra dei­xa evi­den­te o bom êxi­to de Sua mis­são. Homens foram ensi­na­dos acer­ca do Rei­no de Deus e o mun­do intei­ro ain­da é estre­me­ci­do por tal resul­ta­do.

Da mes­ma for­ma, Deus usa, ain­da hoje, homens e mulhe­res como ins­tru­to­res refe­ren­ci­ais na edu­ca­ção cris­tã. O con­tex­to com cer­te­za é outro, mas a ver­da­de trans­mi­ti­da é a mes­ma e a fer­ra­men­ta para esse fim somos nós mes­mos! Isso pode ser na Esco­la Domi­ni­cal, nos PGs e, prin­ci­pal­men­te, no nos­so lar, onde pode­mos e deve­mos apli­car um dito popu­lar que nos adver­te: “A edu­ca­ção come­ça em casa”. Que pos­sa­mos, por­tan­to, con­ti­nu­ar agin­do em favor do Rei­no como faci­li­ta­do­res das ver­da­des bíbli­cas!

Hoje, em espe­ci­al, vol­ta­mos nos­so olhar para a Esco­la Domi­ni­cal, fer­ra­men­ta essen­ci­al para o cres­ci­men­to sau­dá­vel e madu­ro da igre­ja. Nos­sa igre­ja tem como um de seus pila­res fun­da­men­tais a edu­ca­ção, razão pela qual o bom ensi­no não pode fal­tar. O Sal­mo 119:96 diz: “A toda per­fei­ção vejo limi­te; mas os teus man­da­men­tos são ili­mi­ta­dos”. Enten­den­do que os man­da­men­tos de Deus são real­men­te ines­go­tá­veis, que tenha­mos dis­po­si­ção para, cada vez mais, bus­car n’Ele a boa ins­tru­ção, trans­mi­tin­do-a com inte­gri­da­de e res­pon­sa­bi­li­da­de.

Cada cris­tão car­re­ga em si a res­pon­sa­bi­li­da­de e a capa­ci­da­de para mul­ti­pli­car as ins­tru­ções do bem viver e per­mi­tir que o Espí­ri­to San­to, por meio do ensi­no, trans­for­me as rea­li­da­des viven­ci­a­das, esti­mu­lan­do o cres­ci­men­to e o ama­du­re­ci­men­to da fé.

Deus aben­çoe os mes­tres do ensi­no!

Sem. Edmil­son Sil­va

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *