Só damos valor quando perdemos

0 Fla­res Twit­ter 0 Face­bo­ok 0 Goo­gle+ 0 Pin It Sha­re 0 0 Fla­res ×

Nes­te domin­go (6/11), após seis lon­gos meses, a pas­to­ra Lau­ra Valen­tin, minha espo­sa, está retor­nan­do de sua licen­ça-mater­ni­da­de e reas­su­min­do suas fun­ções na qua­li­da­de de pas­to­ra coad­ju­to­ra em nos­sa comu­ni­da­de, gra­ças a Deus!

Nós, como famí­lia, agra­de­ce­mos imen­sa­men­te a Deus pela lide­ran­ça da nos­sa igre­ja, que pron­ta e volun­ta­ri­a­men­te con­ce­deu à pas­to­ra Lau­ra seis meses de licen­ça, em lugar dos qua­tro pre­vis­tos pela lei admi­nis­tra­ti­va da Igre­ja Meto­dis­ta. Sem dúvi­da, esse tem­po pro­lon­ga­do foi mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vo para cada mem­bro da minha famí­lia, mas espe­ci­al­men­te para a peque­na Ali­ce, a mai­or inte­res­sa­da e bene­fi­ci­a­da nes­se pro­ces­so.

No entan­to, na posi­ção de mari­do e pas­tor titu­lar da igre­ja, eu não ima­gi­na­va que seri­am tão desa­fi­a­do­res esses seis meses sem minha pas­to­ra coad­ju­to­ra. É fato que nun­ca des­me­re­ci nem des­pres­ti­gi­ei o valor e a con­tri­bui­ção da pas­to­ra Lau­ra no dia a dia da nos­sa comu­ni­da­de, mas o dita­do popu­lar se fez ver­da­de em minha vida: pas­sei a dar mui­to mais valor a ela quan­do não a tive na ati­va em nos­sa igre­ja do que quan­do ela esta­va atu­an­do nor­mal­men­te.

Fico me per­gun­tan­do por que somos assim, por que faze­mos assim e por que só damos o devi­do valor às pes­so­as quan­do não pode­mos con­tar com elas. A res­pos­ta pode vir de diver­sas dire­ções. Tal­vez seja por nos­so fal­so e errô­neo sen­ti­men­to de autos­su­fi­ci­ên­cia; tal­vez por con­ta da nos­sa fal­ta de empa­tia, nos­sa difi­cul­da­de de nos colo­car­mos no lugar do outro para per­ce­ber­mos o valor do seu tra­ba­lho, esfor­ço e dedi­ca­ção; ou tal­vez seja sim­ples­men­te por nos­sa total insen­si­bi­li­da­de de per­ce­ber o quan­to o outro ou a outra é impor­tan­te em nos­sas vidas.

O moti­vo na ver­da­de não impor­ta mui­to aqui. O fato é que não dar o devi­do valor a cada pes­soa é e sem­pre será um erro. Ao con­tar para Seus dis­cí­pu­los a pará­bo­la da ove­lha per­di­da, Jesus afir­mou que o pas­tor se impor­ta­va tan­to com cada ove­lha que, mes­mo ten­do mui­tas, quan­do per­dia uma delas ele ime­di­a­ta­men­te ia bus­cá-la, onde quer que esti­ves­se. Pen­so que, quan­do Pedro negou Jesus três vezes e, então, “per­deu” o Mes­tre, aque­le após­to­lo medro­so final­men­te enten­deu o valor de Jesus na sua vida.

Con­tu­do, a lógi­ca divi­na é o inver­so da huma­na. Antes de ave­ri­guar nos­so valor, Deus deci­diu envi­ar Seu úni­co filho para mor­rer em nos­so lugar. Ou seja, Ele nos valo­ri­zou sem con­si­de­rar se um dia esta­ría­mos per­di­dos ou não, embo­ra sem Ele sem­pre este­ja­mos per­di­dos.

Nos­so desa­fio é enten­der que não somos capa­zes de fazer sozi­nhos todas as coi­sas e, por isso, pre­ci­sa­mos de pes­so­as ao nos­so lado. Quan­do nos colo­ca­mos no lugar do outro, nós nos sen­si­bi­li­za­mos com seu esfor­ço, empe­nho, cari­nho e cui­da­do dedi­ca­dos a nós.

Vamos valo­ri­zar hoje nos­sa espo­sa ou mari­do, nos­sos filhos, nos­sos pas­to­res, nos­sos fun­ci­o­ná­ri­os, nos­sos ami­gos, nos­sos pro­fes­so­res e tan­tas outras pes­so­as que são impor­tan­tes para nós e mere­cem ser valo­ri­za­das sim­ples­men­te por esta­rem ao nos­so lado, colo­ca­das ali por Deus, para que o Seu amor e o Seu cui­da­do sejam mani­fes­tos a nós.

Pr Tiago Valentim

Pas­to­ra Lau­ra, seja bem-vin­da de vol­ta à sua igre­ja!
Rev. Tia­go Valen­tin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *