Siga, e não faça perguntas

0 Fla­res Twit­ter 0 Face­bo­ok 0 Goo­gle+ 0 Pin It Sha­re 0 0 Fla­res ×

Jesus dali, viu um homem cha­ma­do Levi sen­ta­do na cole­to­ria e dis­se-lhe: Segue-me! Ele se levan­tou e o seguiu” (Mateus 9.9)

Sem­pre me fas­ci­nou o fato de Jesus ter cha­ma­do alguns homens para segui-Lo e eles de pron­to aban­do­na­rem seus afa­ze­res, sem nada per­gun­tar. Aos pes­ca­do­res dis­se-lhes: “vin­de após mim”, e estes “dei­xa­ram ime­di­a­ta­men­te as redes e o segui­ram” (Mt 4.20). Encon­trou a Levi, o publi­ca­no, sen­ta­do na cole­to­ria, e cha­mou-o: “Segue-me!” e ele “se levan­tou e o seguiu” (Mt 9.9).

Cadê o pro­gra­ma? O con­tra­to? Quais são os ris­cos? Onde estão as garan­ti­as? É bem pro­vá­vel que eles já tives­sem ouvi­do falar do Mes­si­as, mas isso não dimi­nui o valor do impor­tan­te pas­so que deram.

O que Jesus dese­ja que eu faça não é deco­rar um con­jun­to de regras, do que “pode” e do que “não pode” fazer, nem repe­tir ges­tos, nem que pra­ti­que­mos com­pul­si­va­men­te deter­mi­na­dos ritu­ais, mas sim­ples­men­te segui-Lo. Tal­vez a pala­vra que melhor resu­me uma vida cris­tã sau­dá­vel seja jus­ta­men­te esta: “Siga-me”.

De uma for­ma geral olha­mos o que as pes­so­as estão fazen­do de erra­do em suas vidas, e de pron­to excla­ma­mos para elas: “aban­do­nem a bebi­da… parem de se pros­ti­tuir… che­ga de men­tir…”. É a ten­ta­ti­va de mudar com­por­ta­men­tos sem que se mude o indi­ví­duo. Feliz­men­te, o pro­gra­ma de vida que Jesus tem pra nós come­ça com uma só pala­vra: “Segue-me!”.

Se for­mos hones­tos have­re­mos de reco­nhe­cer que somos seres dis­fun­ci­o­nais, que pre­ci­sam de cons­tan­tes ajus­tes. Jesus sabe dis­so e em nenhum momen­to Ele espe­ra que eu apre­sen­te “melho­ras” para acom­pa­nha-lo. Ao con­trá­rio, segui-lo é o tra­ta­men­to que Ele tem para as minhas dis­fun­ções.

E nis­so, esta­mos todos na mes­ma luta, qual seja, a de sub­me­ter o nos­so ser a Cris­to e ven­cer o peca­do que dese­ja nos domi­nar. Levi, por exem­plo, per­ten­cia à clas­se dos publi­ca­nos, que não eram bem-vis­tos pelo povo. Tal­vez hoje fôs­se­mos até ele e ten­ta­ría­mos con­ven­ce-lo de seus erros. Jesus, porém, vai ao seu encon­tro e sim­ples­men­te o con­vi­da a segui-lo – e nenhu­ma pala­vra sobre o seu esta­do!

Pos­si­vel­men­te mui­tos cris­tãos terão de con­vi­ver o res­to de seus dias com alguns tra­ços, maze­las ou doen­ças inte­ri­o­res que estão arrai­ga­das na alma. No fun­do sabem que, por amor a Cris­to, have­rão de tri­lhar uma vida de renún­cia – diá­ria, árdua, cons­ci­en­te, mas não amar­gu­ra­da. É como o alcoó­la­tra que renun­ci­ou à bebi­da, mas côns­cio que o mal con­ti­nua vivo den­tro dele, e depen­de­rá da gra­ça divi­na enquan­to viver. O após­to­lo Pau­lo teve um espi­nho na car­ne, e pare­ce ter supor­ta­do isso por toda sua vida. A Bíblia reve­la que Eli­as era um homem seme­lhan­te a nós, sujei­to às “mes­mas pai­xões”, e mes­mo assim Deus o tras­la­dou ao céu. Até o rei Davi, em sua velhi­ce, com o cor­po entor­pe­ci­do e senil, con­ser­vou até o fim o gos­to de estar ao lado de uma moçoi­la, nem que fos­se só para se aque­cer (1Rs 1.1–4).

Cla­ro que seguir a Cris­to tam­bém envol­ve a men­te e o raci­o­nal. Mas o pro­ble­ma é quan­do as per­gun­tas se tor­nam um impe­di­men­to para levan­tar e seguir. Não que a res­pos­ta irá aju­dá-los a tomar uma deci­são, por­que tão logo se lhe res­pon­dam, já maqui­nam outra e outra dúvi­da. Qual o medo? Sabem no ínti­mo que se der por con­ven­ci­dos terão de “aban­do­nar suas redes”.

Em Cris­to não have­rá res­pos­tas “a pri­o­ri”. É pre­ci­so ter a cora­gem de se levan­tar e segui-Lo. A estes, Ele dará total aten­ção, reve­la­rá o que há em seus cora­ções, con­ta­rá segre­dos reser­va­dos aos que Lhe são ínti­mos e des­ve­la­rá tesou­ros ocul­tos. São aos seus dis­cí­pu­los e segui­do­res que Ele se agra­da em dizer coi­sas que jamais diria às mul­ti­dões, e res­pon­de­rá para nós algu­mas ques­tões – não todas – pois em nos­sa fini­tu­de sería­mos inca­pa­zes de com­pre­en­der.

Faça como Levi: levan­te-se e siga o Mes­tre sem fazer mui­tas per­gun­tas. No momen­to cer­to ele te expli­ca­rá.

Pr. Daniel Rocha

Pr. Dani­el Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *