Quando não precisamos de fé?

0 Fla­res Twit­ter 0 Face­bo­ok 0 Goo­gle+ 0 Pin It Sha­re 0 0 Fla­res ×

Não se assus­te, mas pode haver momen­tos em que acha­mos que não pre­ci­sa­mos de fé, embo­ra não haja pos­si­bi­li­da­de de viven­ci­ar a espi­ri­tu­a­li­da­de sem per­cor­rer o cami­nho da fé. Segun­do o dici­o­ná­rio da lín­gua por­tu­gue­sa de Auré­lio Buar­que de Holan­da Fer­rei­ra, “fé” é a ade­são de for­ma incon­di­ci­o­nal a uma hipó­te­se que a pes­soa pas­sa a con­si­de­rar como sen­do uma ver­da­de, mes­mo sem nenhu­ma pro­va ou cri­té­rio obje­ti­vo de veri­fi­ca­ção, pela abso­lu­ta con­fi­an­ça que ela depo­si­ta naque­la ideia ou fon­te de trans­mis­são. A fé acom­pa­nha abso­lu­ta abs­ti­nên­cia de dúvi­da; ou seja, é impos­sí­vel duvi­dar e ter fé ao mes­mo tem­po.

Por­tan­to, a fé é o sen­ti­men­to, a ati­tu­de, a pos­tu­ra neces­sá­ria para crer naqui­lo cuja exis­tên­cia não é pos­sí­vel com­pro­var. Nós cris­tãos esco­lhe­mos acre­di­tar, ter fé que Deus exis­te e que Ele é o nos­so cri­a­dor, sus­ten­ta­dor e sal­va­dor. Em últi­ma aná­li­se, tudo o que viven­ci­a­mos e des­fru­ta­mos, bem como o sim­ples fato de estar­mos vivos, ocor­rem pela ação de Deus. Por­tan­to, para nós que cre­mos des­se modo, não exis­te, a prin­cí­pio, nenhum momen­to em que não pre­ci­sa­ría­mos ter fé.

Con­tu­do, Jesus, ao ilus­trar para Seus dis­cí­pu­los o que era a fé, fez uso da ima­gem de uma semen­te de mos­tar­da, que, mes­mo ten­do cer­ca de 1 milí­me­tro de diâ­me­tro, quan­do plan­ta­da, ger­mi­na e resul­ta num gran­de arbus­to, com mais de 1 metro de altu­ra. Entre outras coi­sas, o Mes­tre está dizen­do com isso que a fé não é algo pron­to, aca­ba­do, mas que deve e pre­ci­sa cres­cer den­tro de nós. Por isso, há quem tenha mui­ta fé e há tam­bém quem não a tenha; há quem reco­nhe­ça que não exis­te vida sem a fé em Deus e há tam­bém quem pen­se que nem sem­pre pre­ci­sa­mos ter fé ou atri­buir a Deus a vida.

A fé dire­ci­o­na­da a Deus gera em nós uma for­ça motriz que nos leva a dar pas­sos con­fi­an­tes, mes­mo quan­do as cir­cuns­tân­ci­as e cená­ri­os são duvi­do­sos. Por exem­plo, qual era a garan­tia de Moi­sés e do povo hebreu de que as colu­nas de água que se for­ma­ram no Mar Ver­me­lho para que eles o atra­ves­sas­sem não iri­am se des­fa­zer no meio da cami­nha­da? Sim, é isso mes­mo. Não havia nenhu­ma pro­va de que tudo ia dar cer­to. Mas eles tive­ram fé e che­ga­ram sãos e sal­vos à outra mar­gem.

Se o que nos faz cami­nhar são as pro­vas, as evi­dên­ci­as, as cer­te­zas huma­nas, esta­tís­ti­cas e con­jun­tu­rais, então não pre­ci­sa­mos de fé para cami­nhar, pois con­fi­a­mos em nós mes­mos e na nos­sa pre­ten­sa capa­ci­da­de de con­tro­lar ou pre­ver os cená­ri­os. Ao tomar­mos uma deci­são ou fazer­mos uma esco­lha quan­do tudo vai bem, quan­do tudo é favo­rá­vel, esta­mos sim­ples­men­te con­fi­an­do em nos­so auto­con­tro­le e em nos­sa autos­su­fi­ci­ên­cia, des­con­si­de­ran­do a pró­pria exis­tên­cia de Deus. Já a fé é a abso­lu­ta, total con­fi­an­ça de que, mes­mo quan­do tudo pare­ça estar indo mal, se der­mos um pas­so de fé, che­ga­re­mos a Canaã!

Pr Tiago Valentim

Do ami­go e pas­tor,
Rev. Tia­go Valen­tin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *