Por que Deus não faz o que eu preciso?

0 Fla­res Twit­ter 0 Face­bo­ok 0 Goo­gle+ 0 Pin It Sha­re 0 0 Fla­res ×

Um dos apren­di­za­dos mais bási­cos da nos­sa cami­nha­da de fé é a máxi­ma de que “Deus quer o nos­so bem”. Entre­tan­to, é ine­vi­tá­vel ques­ti­o­nar­mos essa ver­da­de quan­do pas­sa­mos por lutas e adver­si­da­des que não nos tra­zem nada de bom: se Deus quer sem­pre o nos­so bem, por que esta­mos pas­san­do por algo ruim? Tal­vez Ele não seja tão bom assim ou, quem sabe, nem mes­mo exis­ta.

Não fique ater­ro­ri­za­do com esses ques­ti­o­na­men­tos. Ouso dizer que nove entre dez cris­tãos levan­tam dúvi­das seme­lhan­tes a essas quan­do estão pas­san­do por lutas. Afi­nal, por que Deus não faz logo o que a gen­te pre­ci­sa e tudo fica bem de uma vez?

É da nos­sa natu­re­za que­rer­mos solu­ci­o­nar o mais rápi­do pos­sí­vel uma situ­a­ção que nos seja des­fa­vo­rá­vel. É cla­ro que nin­guém gos­ta de sofrer, de sen­tir dor, de ficar amar­gu­ra­do ou frus­tra­do. Ali­a­do a isso, apren­de­mos que Deus é o Senhor da His­tó­ria e das nos­sas pró­pri­as vidas e cre­mos que, em Sua oni­po­tên­cia, Ele pode inter­vir em toda e qual­quer situ­a­ção. Ain­da que essa últi­ma afir­ma­ti­va seja mui­to ques­ti­o­na­da por teó­lo­gos libe­rais, é assim que deve­mos crer como cris­tãos e meto­dis­tas.

Mas, se que­re­mos a solu­ção do nos­so pro­ble­ma e se Deus pode fazer algo por nós, por que Ele não faz? Sim­ples­men­te por­que Ele quer o nos­so bem! Nos­sa rela­ção com Deus deve sem­pre ser ana­li­sa­da pelo viés da pater­ni­da­de divi­na, pois Deus é Nos­so Pai e nós, Seus filhos e filhas.

Revi­ven­do, recen­te­men­te, a emprei­ta­da de edu­car e cui­dar de um bebê, minha espo­sa e eu entra­mos na fase em que a Ali­ce, nos­sa filhi­nha, está apren­den­do a enga­ti­nhar. É espan­to­so reco­nhe­cer o poder cri­a­dor e cri­a­ti­vo de Deus: a Ali­ce se colo­ca sozi­nha na posi­ção de enga­ti­nhar, por puro ins­tin­to. Mas ela ape­nas se põe na posi­ção e não sai do lugar, ain­da que demons­tre que­rer mui­to isso. Con­fes­so que dá uma cer­ta afli­ção vê-la esfor­çar-se tan­to sem sair do lugar. Mas sabe­mos que ela pre­ci­sa apren­der a supe­rar esse pri­mei­ro desa­fio da sua vida, o qual futu­ra­men­te lhe tra­rá o bene­fí­cio de uma coor­de­na­ção moto­ra mais apri­mo­ra­da, além de esti­mu­lar sua auto­con­fi­an­ça. Você per­ce­be que não fazer o que ela quer é que­rer o seu bem?

Pois é assim que Deus age conos­co: como um Pai que per­mi­te que Seus filhos e filhas pas­sem oca­si­o­nal­men­te por situ­a­ções desa­fi­a­do­ras e até sofri­das. Ele quer que nós ama­du­re­ça­mos ou, quem sabe, apren­da­mos uma lição que nos tor­na­rá pes­so­as melho­res ou que nos pre­pa­ra­rá para viver­mos coi­sas mai­o­res. Mui­tas vezes que­re­mos inver­ter os papéis, agin­do como se nós fôs­se­mos os senho­res e Deus o ser­vo que tem de nos aten­der quan­do e da manei­ra que que­re­mos.

Sim, Deus pode inter­vir e mudar tudo para rever­ter as coi­sas a nos­so favor. Mas Ele só fará isso quan­do for para o nos­so bem, pois “os meus pen­sa­men­tos não são os pen­sa­men­tos de vocês, nem os seus cami­nhos são os meus cami­nhos, decla­ra o Senhor” (Is 55:8).

Pr Tiago Valentim

Do ami­go e pas­tor,
Rev. Tia­go Valen­tin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *