Independência ou cruz

0 Fla­res Twit­ter 0 Face­bo­ok 0 Goo­gle+ 0 Pin It Sha­re 0 0 Fla­res ×

Inde­pen­dên­cia ou mor­te!” A auto­ria des­sa fra­se é con­fe­ri­da ao pri­mei­ro impe­ra­dor do Bra­sil, D. Pedro I, que em 7 de setem­bro de 1822, às mar­gens do ria­cho Ipi­ran­ga, teria desem­bai­nha­do sua espa­da e dito a expres­são que viria a ser um dos sím­bo­los da inde­pen­dên­cia do país, con­for­me a ver­são ofi­ci­al. Embo­ra haja mui­tas con­tro­vér­si­as a res­pei­to dos fatos e deta­lhes sobre o que hou­ve naque­le 7 de setem­bro, essa foi a data defi­ni­da como mar­co no pro­ces­so de des­li­ga­men­to entre Bra­sil e Por­tu­gal.

Em linhas gerais, o então prín­ci­pe-regen­te teve de esco­lher entre vol­tar para Por­tu­gal e sub­me­ter-se ao poder de seu pai, o rei D. João VI, ou ficar no Bra­sil e “lutar” por sua inde­pen­dên­cia. Por isso, D. Pedro teria dito que não havia outra esco­lha: ou tor­nar o Bra­sil inde­pen­den­te ou mor­rer por ele. Não só as nações bus­ca­ram e ain­da bus­cam sua inde­pen­dên­cia ao lon­go da His­tó­ria. Esse é um anseio de todos, mais para uns­que para outros. A mai­o­ria das pes­so­as não gos­ta de depen­der de alguém para algo. Há cri­an­ças volun­ta­ri­o­sas que não que­rem que os adul­tos as ensi­nem; ado­les­cen­tes ansei­am por com­ple­tar 18 anos e des­fru­tar os bene­fí­ci­os de liber­da­de que a che­ga­da a essa ida­de lhes con­ce­de; jovens que­rem sair da casa dos pais e não depen­der mais deles finan­cei­ra­men­te; adul­tos e ido­sos con­vi­vem com o medo de ter de depen­der de alguém no fim de suas vidas.

Um fato inte­res­san­te, porém, é que, do pon­to de vis­ta espi­ri­tu­al, Deus fez tudo para que nós depen­dês­se­mos de Sua Gra­ça. Jesus tam­bém teve de esco­lher entre a inde­pen­dên­cia ou a mor­te, mas o que esta­va em jogo não era ape­nas a dis­pu­ta pelo poder tran­si­tó­rio de um rei­no qual­quer, e sim o esta­be­le­ci­men­to de um rei­no base­a­do em paz, jus­ti­ça e ale­gria – o Rei­no de Deus.

No con­tex­to mes­si­â­ni­co, optar pela inde­pen­dên­cia seria dizer para Deus que a huma­ni­da­de pode­ria viver sem Sua mise­ri­cór­dia, sem Seu per­dão, sem Sua Gra­ça. Ou seja, a liber­da­de esta­va na mor­te e em viver total­men­te na depen­dên­cia de Deus. Por isso, Jesus esco­lheu a mor­te, pois era o úni­co cami­nho que pode­ria levar à vida.

A irô­ni­ca coro­a­ção de Jesus rea­li­za­da pelo guar­das roma­nos horas antes da cru­ci­fi­ca­ção seria pro­fun­da­men­te ofus­ca­da pela coroa de gló­ria que Deus con­fe­riu a Ele três dias depois de Sua mor­te, quan­do res­sus­ci­tou den­tre os mor­tos, con­ce­den­do a toda a Cri­a­ção a pos­si­bi­li­da­de de se reco­lo­car na total depen­dên­cia da Gra­ça de Deus.

À medi­da que nos vol­ta­mos para Deus e dese­ja­mos depen­der d’Ele, nós nos tor­na­mos tam­bém code­pen­den­tes uns dos outros, pois a Gra­ça e o amor de Deus se mani­fes­tam tam­bém na vida do pró­xi­mo. Depen­der de Deus é reco­nhe­cer que, sem estar liga­dos à videi­ra, nada pode­mos fazer.

Somos leva­dos por uma série de fato­res a viver e demons­trar que somos inde­pen­den­tes. Em cer­ta medi­da, a inde­pen­dên­cia é salu­tar, pois nos ama­du­re­ce e nos aju­da a reco­nhe­cer nos­sas poten­ci­a­li­da­des e limi­ta­ções. Mas quan­do essa inde­pen­dên­cia se trans­for­ma em autos­su­fi­ci­ên­cia, cer­ta­men­te esta­re­mos em dis­cor­dân­cia com aqui­lo que Jesus nos con­ce­de e pro­põe por meio de seu sacri­fí­cio.

Que pos­sa­mos esco­lher sem­pre a vida por meio da mor­te, e não da inde­pen­dên­cia: a mor­te do nos­so orgu­lho, da nos­sa arro­gân­cia, da nos­sa alti­vez e de tudo que nos afas­ta de Deus e de seus filhos e filhas.

Pr Tiago Valentim

Na depen­dên­cia de Deus,
Pr. Tia­go Valen­tin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *