Deus é justo juiz

0 Fla­res Twit­ter 0 Face­bo­ok 0 Goo­gle+ 0 Pin It Sha­re 0 0 Fla­res ×

Se con­fes­sar­mos os nos­sos peca­dos, ele é fiel e jus­to para nos per­do­ar os peca­dos e nos puri­fi­car de toda injus­ti­ça” (1 Jo. 1.9).

Des­de cedo apren­de­mos na igre­ja que para Deus não exis­te clas­si­fi­ca­ção ou gra­vi­da­de dife­ren­te para os peca­dos. Comu­men­te se diz: “Para Deus não exis­te peca­di­nho ou peca­dão; peca­do é peca­do”. Mui­tos ao ouvi­rem essa fra­se pen­sam cala­dos: “Isso é mui­to injus­to. Como pode, por exem­plo, a men­ti­ra ter o mes­mo peso que um assas­si­na­to?”.

Somos leva­dos a raci­o­na­li­zar a jus­ti­ça de Deus a par­tir dos nos­sos prin­cí­pi­os, valo­res e, é cla­ro, da nos­sa jus­ti­ça. Inclu­si­ve por­que, de acor­do com o Códi­go Penal, há dife­ren­tes tipos e manei­ras de se infrin­gir a lei e, para cada uma des­sas moda­li­da­des, uma pena com­pa­tí­vel. Assim tam­bém a mai­o­ria de nós foi edu­ca­da. Depen­den­do da gra­vi­da­de da “arte” que apron­tá­va­mos, nos­sos pais nos apli­ca­vam uma cor­re­ção que podia ir des­de uma bron­ca até umas pal­ma­di­nhas.

Con­tu­do, a jus­ti­ça de Deus não se enqua­dra e nem se apli­ca de acor­do com os con­cei­tos huma­nos. Isso por­que o que impor­ta para Deus não é o tipo da infra­ção, e sim a con­seqüên­cia que ela acar­re­ta: o afas­ta­men­to da pre­sen­ça san­ta de Deus. O peca­do, seja ele de que natu­re­za for, rom­pe nos­so elo/aliança com Deus.

Mas o que pode pare­cer ain­da mais injus­to é a pena que temos de pagar por con­ta do peca­do. A úni­ca coi­sa que temos a fazer é nos arre­pen­der­mos sin­ce­ra­men­te do que fize­mos e pedir per­dão a Deus, que Ele cer­ta­men­te nos per­do­a­rá, con­for­me o tex­to de 1 João.

O peca­do que nos afas­ta de Deus pode ser per­do­a­do por meio do Seu amor tan­tas fezes quan­tas qui­ser­mos recor­rer a Ele. Entre­tan­to, não esta­mos isen­tos das con­sequên­ci­as do peca­do, pois, aí sim, há uma com­pa­ti­bi­li­da­de entre cau­sa e efei­to. Deus nos aco­lhe com Sua gra­ça quan­do nos arre­pen­de­mos e nos per­doa com eter­na mise­ri­cór­dia. Con­tu­do, o men­ti­ro­so terá de assu­mir as con­sequên­ci­as de suas men­ti­ras e o assas­si­no terá de pagar por meio da jus­ti­ça huma­na por seu deli­to. O mai­or pre­juí­zo que temos ao pecar é nos afas­tar­mos de Deus, mas tam­bém temos de admi­nis­trar as ine­vi­tá­veis con­sequên­ci­as das nos­sas esco­lhas erra­das.

Jesus mor­reu por todos e todas, inde­pen­den­te­men­te da con­di­ção em que nos encon­tra­mos. O sacri­fí­cio de Cris­to é a expres­são máxi­ma do amor de Deus por toda a cri­a­ção. Por isso é tão difí­cil para nós com­pre­en­der­mos e acei­tar­mos a jus­ti­ça divi­na, pois ela está base­a­da na supe­ra­bun­dan­te gra­ça de Deus, que redi­me e jus­ti­fi­ca todos e todas que a rece­bem em seus cora­ções.

Pr Tiago Valentim

Com cari­nho e esti­ma pas­to­ral,
Pr. Tia­go Valen­tin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *