Contra fatos não há argumentos

0 Fla­res Twit­ter 0 Face­bo­ok 0 Goo­gle+ 0 Pin It Sha­re 0 0 Fla­res ×

Um dos epi­só­di­os mais intri­gan­tes do minis­té­rio ter­re­no de Jesus é o seu silên­cio dian­te dos sacer­do­tes quan­do Ele foi jul­ga­do pelo Siné­drio. Como todos sabe­mos, Jesus esta­va sen­do jul­ga­do injus­ta­men­te; aque­la reu­nião não pas­sa­va de uma arma­ção arqui­te­ta­da pelo sumo sacer­do­te e pelo poder roma­no. Sim, tam­bém sabe­mos que era neces­sá­rio que a pro­fe­cia se cum­pris­se, mas, olhan­do do pon­to de vis­ta his­tó­ri­co, o jul­ga­men­to de Jesus jamais deve­ria ter acon­te­ci­do.

Ao fazer­mos a lei­tu­ra do tex­to bíbli­co, fica­mos pro­fun­da­men­te indig­na­dos e cer­ta­men­te pen­sa­mos: “Que injus­ti­ça, que gran­de men­ti­ra!”; “Jesus, fale algu­ma coi­sa! Rea­ja!”. Nos­so dese­jo natu­ral é de que a jus­ti­ça seja fei­ta e, se Jesus tives­se fala­do mais do que “tu o dizes”, tal­vez algu­ma coi­sa pudes­se ter muda­do.

Peço licen­ça a vocês, lei­tor e lei­to­ra do Boin, para fazer um diá­lo­go com o tex­to do Pr. Dani­el Rocha, publi­ca­do na edi­ção de domin­go pas­sa­do (5/2). Naque­la refle­xão, mui­to bem fei­ta, como sem­pre, o Pr. Dani­el nos pro­põe uma pos­tu­ra madu­ra dian­te de fofo­cas. Segun­do ele, a melhor ati­tu­de é sim­ples­men­te igno­rar! De fato, assu­mir essa pos­tu­ra requer de nós matu­ri­da­de, pois inva­ri­a­vel­men­te dese­ja­mos res­pon­der, que­re­mos fazer jus­ti­ça.

Mas o que o jul­ga­men­to de Jesus nos ensi­na? De manei­ra bas­tan­te sim­plis­ta, pode­mos dizer que Jesus tam­bém foi víti­ma de fofo­ca: “Ora, os prin­ci­pais sacer­do­tes e todo o Siné­drio pro­cu­ra­vam algum tes­te­mu­nho fal­so con­tra Jesus, a fim de o con­de­na­rem à mor­te” (Mt 26:59). Por­tan­to, todos nós, vez ou outra, pode­mos ser víti­mas des­sa prá­ti­ca repug­nan­te, covar­de e malig­na cha­ma­da fofo­ca.

Tal­vez alguém com o sen­so de jus­ti­ça mais agu­ça­do pos­sa ques­ti­o­nar: “Mas não fazer nada ou igno­rar o que estão falan­do a meu res­pei­to não é o mes­mo que con­sen­tir com o que está sen­do dito?”. Por isso, tra­go para nos­sa refle­xão o pro­vér­bio que dá títu­lo a esta pas­to­ral: “Con­tra fatos não há argu­men­tos”. Ape­sar de usar expres­sões do uni­ver­so jurí­di­co, esse pro­vér­bio não se apli­ca a esse cam­po, pois, se há algo que um juris­ta deve saber fazer, e faz, é argu­men­tar dian­te de fatos, ain­da que estes sejam con­cre­tos.

O filó­so­fo ale­mão Fri­e­dri­ch Nietzs­che dizia que não há fatos eter­nos, assim como tam­bém não há ver­da­des abso­lu­tas. Por isso, esse pro­vér­bio só se apli­ca para quem tem fé. Para os que acre­di­tam que Jesus é o Filho de Deus, é um fato Jesus ser o Mes­si­as, é um fato Jesus ser Rei, é um fato Jesus ser capaz de mudar a his­tó­ria das pes­so­as. Tal­vez Jesus não tenha argu­men­ta­do por­que não havia o que argu­men­tar dian­te de fatos. Tan­to que a sen­ten­ça con­tra Ele se deu em meio a tumul­to, gri­tos, his­te­ria e mui­tas men­ti­ras. Nenhum argu­men­to foi encon­tra­do para con­tra­di­zer o fato de que Jesus era o Cor­dei­ro de Deus.

Tal­vez pos­sa­mos igno­rar com­ple­ta­men­te a ati­tu­de de pes­so­as pre­sun­ço­sas, estrei­tas de alma ou com bai­xa auto­es­ti­ma pelo sim­ples moti­vo de que con­tra fatos não há argu­men­tos. Jesus aler­ta Seus dis­cí­pu­los de que a árvo­re é conhe­ci­da pelos seus fru­tos – um limo­ei­ro dá limões, isso é um fato. Nos­sos fru­tos devem falar mais do que argu­men­tos.

Além dis­so, não há fato mais incon­tes­tá­vel do que a opi­nião de Deus a nos­so res­pei­to. As pes­so­as podem falar o que qui­se­rem, pois, no fim, o que mais impor­ta, o que real­men­te tem valor é o que Deus fala sobre nós. Para quem tem fé, uma car­ro­ça vazia é, de fato, uma car­ro­ça vazia!

Pr Tiago Valentim

Do ami­go e pas­tor,
Rev. Tia­go Valen­tin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *