Caráter com carisma

0 Fla­res Twit­ter 0 Face­bo­ok 0 Goo­gle+ 0 Pin It Sha­re 0 0 Fla­res ×

carisma

Con­for­me abor­da­mos na edi­ção pas­sa­da do Boin (19/3), há quem tenha mui­to caris­ma, mas pou­co ou nenhum cará­ter. Entre­tan­to, há pes­so­as com cará­ter que tam­bém são mui­to caris­má­ti­cas.

Na lógi­ca do Rei­no de Deus, a essên­cia é sem­pre mais impor­tan­te do que a for­ma, dife­ren­te­men­te do que vive­mos na soci­e­da­de con­tem­po­râ­nea. Sobre­tu­do com o adven­to das redes soci­ais, na últi­ma déca­da, nós acom­pa­nha­mos e alguns par­ti­ci­pam ati­va­men­te do apo­geu da esté­ti­ca em detri­men­to da éti­ca. Se, no Rei­no de Deus, as pes­so­as são defi­ni­das pelos valo­res e prin­cí­pi­os que pre­gam e pra­ti­cam, nas redes soci­ais o valor de cada um está na supe­rex­po­si­ção a que se sub­me­te, no fil­tro que usa em suas fotos e no volu­me pato­ló­gi­co de auto­en­deu­sa­men­to.

Lon­ge de insi­nu­ar que quem faz uso das redes soci­ais não tem cará­ter, enten­do que o gran­de peri­go e o mai­or pro­ble­ma é quan­do o cará­ter das pes­so­as é medi­do pela for­ma como elas se expõem na rede. Cará­ter é algo que se per­ce­be, se ava­lia e se conhe­ce na cami­nha­da jun­tos, no dia a dia, no con­ví­vio real e con­cre­to, sem fil­tros.

Na vida reli­gi­o­sa, dize­mos que uma pes­soa ou uma igre­ja é caris­má­ti­ca quan­do expres­sa, de for­ma visí­vel e audí­vel, os dons do Espí­ri­to San­to. Ao mes­mo tem­po, cre­mos que pes­so­as ou igre­jas sem essas carac­te­rís­ti­cas não são caris­má­ti­cas. Entre­tan­to, de acor­do com a Pala­vra de Deus, toda igre­ja que con­fes­sa Jesus Cris­to como úni­co Senhor e Sal­va­dor e O ado­ra em espí­ri­to e em ver­da­de é caris­má­ti­ca.

Por que afir­ma­mos isso? Por­que “caris­ma”, pala­vra que vem do gre­go (cha­ris­maχαρισματωνkhar’-is-mah), sig­ni­fi­ca “dom”, “um dom da gra­ça”, “um dom gra­tui­to”. Os “dons” ou “caris­mas” são der­ra­ma­dos nas igre­jas cris­tãs por Jesus Cris­to, medi­an­te o Espí­ri­to San­to. Logo, toda igre­ja que se reú­ne em Seu nome é resul­ta­do da “gra­ça” ou do “caris­ma” que Deus con­ce­de.

Por isso, pode­mos afir­mar, com toda cer­te­za, que Jesus con­se­guia, ao mes­mo tem­po, ter cará­ter e ser caris­má­ti­co. Ele não ten­ta­va trans­mi­tir às pes­so­as uma ima­gem agra­dá­vel e posi­ti­va alme­jan­do a apro­va­ção delas. Ele sim­ples­men­te era quem de fato era: um homem com prin­cí­pi­os, sim­ples, sin­ce­ro, ínte­gro, jus­to, for­te e sen­sí­vel. Já o caris­ma de Jesus não sig­ni­fi­ca­va exa­ta e exclu­si­va­men­te que Ele era sim­pá­ti­co, agra­dá­vel, des­con­traí­do e atra­en­te, ain­da que mui­tas vezes apre­sen­tas­se tais carac­te­rís­ti­cas. Seu caris­ma era fru­to da ação gra­ci­o­sa do Pai em Sua vida e por meio dela.

O que nós pre­ci­sa­mos, den­tro e fora da igre­ja, é de indi­ví­du­os seme­lhan­tes a Jesus, ou seja, pes­so­as que tenham cará­ter, antes de qual­quer coi­sa, que sejam ínte­gras, coe­ren­tes, cons­tan­tes e, prin­ci­pal­men­te, que zelem pela ver­da­de e a amem.

O cará­ter de Jesus se mis­tu­ra­va com Seu caris­ma, pois ambos eram fru­tos da pre­sen­ça do Espí­ri­to San­to em Sua vida. Pes­so­as como Jesus, com cará­ter e caris­ma, são natu­ral­men­te agra­dá­veis, feli­zes, atra­en­tes, sim­pá­ti­cas e per­su­a­si­vas. São indi­ví­du­os com os quais temos o pra­zer de con­vi­ver e nos quais con­se­gui­mos con­fi­ar e seguir. Ain­da que tais pes­so­as não falem tão bem nem sejam tão con­vin­cen­tes e arti­cu­la­das, sabe­mos que suas inten­ções são ver­da­dei­ras, pois, aci­ma de sua apa­rên­cia, há uma essên­cia ver­da­dei­ra.

Pr Tiago Valentim

Do ami­go e pas­tor,
Rev. Tia­go Valen­tin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *